Saindo da casa dos pais! 2.0

Esse pode ser um tema muito importante pra muita gente. Já estamos em Agosto e, para quem começa a faculdade no segundo semestre ou vai prestar ENEM, as novidades estão batendo na porta. Fazer faculdade, intercâmbio, procurar um trabalho novo… essas coisas podem requerer um passo importante: sair da casa dos pais.

É um assunto tabu em muitas famílias. Alguns pais diriam que os filhos não sobreviveriam 5 dias sem eles, outros acham que morar sozinho significa se entregar a libertinagem, e outros simplesmente não querem ficar longe dos filhos. Eu não culpo nenhum deles, afinal o que os pais de alguém que perde dinheiro fácil, não lava nem sua própria calcinha e só sabe fazer miojo podem esperar? Os filmes só mostram sexo e drogas na faculdade… fica difícil ser razoável quando não se tem muita informação a seu favor.

Se você já convenceu seus pais de que quer fazer faculdade numa outra cidade e é você quem está surtando, não se desespere. Tudo tem jeito nessa vida, e morar sozinho é uma experiencia diferente e cansativa, mas que pode ser divertida e muito importante na formação de quem você é.

  • A primeira coisa a se pensar é: onde você vou morar?

Eu recomendaria um apartamento divido com mais umas duas pessoas, e um quarto individual. Mas sejamos realistas, isso é luxo e é muito difícil se mudar pra apartamento logo de primeira assim. A não ser que você já tenha amigos com quem montar o apartamento, o ideal seria que você se mudasse pra alguma pensão/república (dividir ou não o quarto depende de quanto dinheiro você tem) e a medida que fizesse amizade lá ou em outros lugares, combinasse de alugar um apartamento com mais duas ou três pessoas. Isso costuma ser mais caro que morar em pensão/república, mas tem algumas vantagens como a privacidade, poder receber visitas, morar com pessoas que você gosta, etc.
Talvez você fique em dúvida entre entrar numa república exclusivamente feminina (ou masculina, caso você seja um garoto) ou uma mista. Ao contrário do que muita gente pensa, as pessoas costumam se respeitar em repúblicas mistas, e não dá nenhum problema.

  • Depois você pode se perguntar: como vou comer?

Você pode comer no Restaurante Universitário da sua faculdade, ou em algum restaurante baratinho (eu comia num gostosinho  que era R$ 17 o kg perto da minha casa em BH, não sei como é em outros lugares). Os RU’s costumam ser baratos e a comida é supervisionada por nutricionistas, ou seja: só amor. Alguns dizem que a comida não é gostosa, mas só provando pra saber se você consegue encarar pelo menos alguns dias da semana né?

Uma outra estratégia que eu experimentei e dá certo é dividir comida com mais uma pessoa. Na pensão onde moro, uma amiga e eu dividíamos arroz, feijão, macarrão, coisas pra por no macarrão, temperos e coisinhas do tipo. Fica surpreendentemente barato, e tem algumas vantagens como chegar em casa e ter arroz pronto, ou até mesmo companhia para cozinhar. Não dividíamos salada nem carne porque temos gostos muito diferentes nesses casos, mas você pode tentar.
Comer de maneira saudável cozinhando pra si mesmo é muito difícil. Dá preguiça de fazer salada ou feijão, então comer macarrão ou arroz com mini-chicken parece mais simples. Você pode fazer arroz suficiente para uns três dias ou uma semana (depende de como você tolera arroz dormido rs) bem fechadinho em vasilhas. Com o feijão, você pode preparar o pacote inteiro e congelar pequenas porções em vasilhas pequenas. Congelar ele refogado (para os iniciantes: “refogar” é quando você frita alho até ele ficar douradinho e joga a comida lá. Dá um cheiro delicioso) ou sem refogar dá na mesma, então a primeira opção é mais prática.
A carne é algo um pouco mais variado. Já vi gente fazendo carne moída com molho de tomate, bife de boi, bife de frango, strogonoff (é muito mais fácil de fazer do que parece), etc. É muito importante que você não se limite aos congelados Sadia e afins porque eles são muito ricos em sódio e fazem mal a saúde. Deixe os bifes de hambúrguer, steaks de frango, mini-chicken e etc para os dias de preguiça extrema. Não é difícil descongelar, temperar e fritar carne, e é muito mais gostoso.
Se você come salada, você pode apelar para as coisas rápidas. Compre um pé de alface pequeno (ou grande, caso você coma bastante), higienize direitinho e corte do jeito que quiser, guardando numa vasilha bem tampada na geladeira. Coma durante a semana, e se as folhas começarem a ficar pretas, está na hora de jogar fora. Se estiverem murchas, tente deixar na água por alguns minutos para que melhorem a aparência/textura. O mesmo vale pra outras verduras de folha. Tomate é só higienizar e cortar as rodelinhas na hora de comer. Se você come cenoura e beterraba, você pode guardá-las higienizadas e ralar na hora de comer (não tenho certeza se é seguro guardar ralado). Uma vez comprei uma compota de legumes pronta e enlatada (vinha ervilha, cenoura e batata) guardado numa vasilha para comer durante a semana. Não morri, então acho que é bem seguro!
Acho que dá pra sobreviver bem seguindo essas dicas e olhando receitinhas na internet, né?

  • E a minha limpeza/higiene?

Pois é, colega. Tá na hora de lavar as próprias calcinhas né? Se você não tiver máquina de lavar é só jogar lá dentro com sabão e pronto. Se não, sinto te informar mas só existem três caminhos: lavar na mão, levar pra lavanderia ou trazer pros seus pais lavarem (essa só funciona se você mora numa cidade perto da dos seus pais, e mesmo assim é trabalhoso).
Se você mora em pensão/república, talvez tenha que limpar seu próprio quarto, então prepare-se para varrer e passar pano no chão. A outra opção é viver num quarto sujo, então mãos a obra. Se você morar em apartamento e não tiver diarista/faxineira talvez tenha que se organizar com os outros moradores da casa para limpar tudo.

Sobre a louça, é muito importante que você não deixe acumular, porque fica nojento, fede e ninguém gosta de encontrar a pia toda suja. Assim que terminar de comer, lave o que você sujou e tente fazer disso um háito. Se a panela ficou com algo grudado, você pode levar ela com água no fogo pra soltar ao invés de deixar de molho por um tempão.Talvez tenha que se organizar com os outros moradores da casa para limpar tudo.

  • E se eu não me dar bem com as pessoas que morarem comigo?

Bom, pode acontecer. E você pode sempre mudar de casa, ou se esforçar para se enturmar e conhecer melhor aqueles que moram com você. É difícil que realmente existam atritos entre pessoas, então o melhor é se esforçar para não dar motivos para que não gostem de você. Geralmente os problemas começam com organização da casa, louça suja, etc.

  • Vai ser lymdo morar sozinho, vou ter meu quarto maravilhoso, vou conhecer gente e vou voltar na hora que eu quiser!

Calma lá. Muito provavelmente a sua primeira casa não vai ter nada a ver com o que você sempre sonhou, mas não desista! É tudo provisório e logo você vai ter seu cantinho. Por enquanto, é importante ter os pés no chão e planejar bem o futuro.
Mudar de cidade implica conhecer pessoas e, talvez, pode ser que as coisas não aconteçam como você espera. Isso pode ser algo bom ou ruim. Então só se esforce para ser legal e não tenha expectativas baixas ou altas demais, porque mudar de cidade é complicado, e as pessoas costumam mudar de região pra região.
Viver a vida sem mamãe nem papai pra te dizer a hora de desligar o computador pode ser muito bom, mas eu tenho certeza que você não quer ter que fazer mais um ano de cursinho ou repetir matéria na faculdade porque não estudou direito. Então se você tem dificuldade de se organizar, tente fazer uma agenda e colocar despertadores. Por exemplo, você chega da aula as 15h e tem prova daí dois dias. Você vai assistir tv ou ficar na internet e coloca um despertador as 18h, pra lembrar de ir estudar. E um as 18:05. E as 18:06. O que precisar pra se colocar na linha.

  • Sinto muita saudade da minha família e dos meus amigos.

Eu entendo, e isso é perfeitamente natural. Mas eu te garanto que existe um grande bem na distância quando se trata de amizade e família. Por incrível que pareça, a minha relação com a minha mãe melhorou muito depois que saí de casa, e eu não sou a única. Parece que o laço que nos liga a quem a gente gosta acaba ficando mais forte com a saudade, e talvez aqueles conflitos que são frutos da convivência já nem fazem sentido e não importam diante da vontade de aproveitar aquele fim de semana em casa ou as férias. Quanto aos amigos, a internet tá sempre do nosso lado pra ajudar na hora de contar os babados, e quando você for pra casa, dedique um tempinho a eles. Pode ser que algumas amizades não resistam a distância, e isso é natural. Isso não significa que não era verdadeiro ou forte… é só o jeito que as coisas acabam ficando depois de um tempo, com os fatores individuais de cada situação. A gente sempre tende a falar que amizade verdadeira é pra sempre, mas não é bem assim que acontece. A amizade verdadeira pode acabar, e outras amizades lindas podem surgir com a essa mudança, por isso é importante que você esteja sempre aberto para novas experiências e novas pessoas.

  • Não sei andar na minha nova cidade.

Olha, essa é uma questão muito complicada que também tem a ver com sua segurança. Já imaginou pegar o ônibus errado e ir parar num bairro assustador com os 500 reais do aluguel na carteira, celular, notebook na mochila e aquele tênis caro? Se você não tem carro, é bom pensar duas vezes antes de pegar um caminho que você não conhece com o notebook e muito dinheiro.
Quando m mudei para BH achei que jamais iria conseguir me virar lá sozinha. Hoje ainda não sei andar direito por lá, mas tenho noção que hoje vou pra muitos lugares sozinha que eu nem imaginava que iria ser capaz. Comecei a decorar o número dos onibus, saber mais ou menos para que lado são alguns bairros e observar quais linhas passavam perto da minha casa, assim se eu me perdesse, eu saberia quais ônibus poderiam me levar de volta. Outra coisa que aprendi é que nunca se deve sair de casa com dinheiro só para uma passagem, porque se você pegar o ônibus errado e tiver que descer num lugar onde não tem banco não vai ser nem um pouco legal.
Na dúvida: google maps, ou o site da empresa de trânsito da sua cidade. Sempre cheque as linhas, onde pegar os ônibus, onde descer e por onde ele passa. Observe a sua volta. E peça ajuda ao trocador.

Antes de fazer esse post eu fiz uma pequena pesquisa com o pessoal da minha sala do terceiro ano. Todos eles tem entre 17 e 19 anos, e, pelo que percebi, os que moram com os pais sofrem só de pensar em perder a boa vida que tem saindo de lá, mas reconhecem o crescimento que sair de casa pode proporcionar. E tudo bem! Muita gente sai de casa porque quer, outros por necessidade. Inclusive levantaram uma questão muito legal: que o tempo que se gasta com comida, limpeza, e outras coisas que a gente tem nas mãos quando moramos com os pais poderia ser gasto com estudo, lazer e etc. Então pode ser que talvez morar sozinho não deva ser a prioridade da sua vida por agora, dependendo dos seus objetivos e condições atuais.
O que pareceu mais animar o pessoal com a ideia de sair da casa dos pais foi ter controle sobre a própria vida e aprender a se virar sozinho. A gente vive num tempo em que nossos pais fazemos tudo por nós, mas chega uma hora em que percebemos como pode ser ruim não conseguir sobreviver sem a ajuda dos outros. Como eu já falei lá em cima, essa é uma faca de dois gumes, e mais uma vez é importante que você se analise e se esforce para perceber se consegue lidar com isso.

No mais, morar sozinho é uma experiência única que acaba por trazer um crescimento pessoal muito grande. A sensação de deixar seu mundinho e começar do zero num novo lugar pode ser aterrorizante e deliciosa. É uma oportunidade de deixar alguns erros para trás e formar toda uma nova impressão de si mesmo, toda uma nova história. E isso é inevitável, porque você vai mudar muito estando longe da família e daqueles amigos de 5, 10 anos. Essa mudança pode te assustar e te deixar com medo da pessoa que vai se tornar, mas você pode e deve reservar esse tempo para pensar em si mesmo, na sua personalidade e atitude e como as novas experiências te ensinam e influenciam. Se você tirar o melhor das coisas que viverá, se torna uma pessoa melhor. Mas se você ficar só vendo os lados ruins de ter saído de casa, não vai aprender muita coisa. É só nostalgia, e assim não tem graça nenhuma, né?

Espero ter ajudado, e qualquer dúvida, usem os comentários!

Carol Marques.

4 thoughts on “Saindo da casa dos pais! 2.0

  1. Foi muito bem feito esse post, achei muito interessante e esclarecedor … de todos os saits com assuntos sobre isso que vi, esse foi o melhor… Espero que continuem com post’s tão interessantes quanto esse. bjs

  2. Jamaaaais sairia de casa. Sou muito apegada a minha mommy, ahahaha.
    O máximo que eu aguento é passar um mês fora num intercâmbio e olhe lá! Skype duas vezes por dia.
    Mas eu acho que passar um tempinho fora num intercâmbio é uma boa forma de descobrir se você aguenta morar um tempo mais prolongado fora de casa.
    Post muito help pras corajosas!

  3. Eu tô morando sozinha há um bom tempo (quase 2 anos) que hoje não consigo me imaginar voltando pra casa. Foi super complicado no começo, chorei por noites. Mas em um determinado momento você acaba de acostumando.🙂

Deixar um comentário

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s